O real peso de um intercâmbio na sua carreira

Veja os dados que uma estudante holandesa reuniu sobre intercambistas

por Luis Michelazzo 1.609 views0

f4700

Muitas pessoas são céticas quanto aos programas de intercâmbio, dizendo que não existem provas concretas de que ele realmente ajuda na construção de caráter e desenvolvimento pessoal e profissional. Por isso, a estudante holandesa Amaren Elise do Blog Traveling My Way Home reuniu alguns dados e vivências pessoais para desmistificar essa história.

Ela diz que desde que morou fora, notou que se tornou mais paciente e aberta a novas situações, aceitando mais facilmente quando coisas fogem do planejado. Porém, ressalta que essas características são muito faladas, extremamente subjetivas e também de certa forma vagas. Tomando os dados recolhidos pela University of California na pesquisa sobre intercâmbios, notou que a maioria esmagadora dos números, quando comparados com não-intercambistas, eram números positivos.

Alguns dados notados pela estudante foram de que 90% dos intercambistas entraram em sua primeira ou segunda universidade de preferência. Para quem está preocupado com o mercado de trabalho outra notícia boa: se você morou fora, você tem duas vezes mais chances de encontrar um emprego dentro de um período de 10 meses. Sem mencionar que 80% dos entrevistados intercambistas disseram ter aprendido habilidades valiosas durante seu período fora.

Veja também:  Evento com universidades holandesas visita 4 cidades brasileiras

Porém esses dados ainda são vagos e, segundo Elise, no estudo mais antigo sobre intercambistas um número já se destaca:

Intercambistas recebem, em média, 25% mais do que aqueles que nunca participaram de programas do tipo. Dá para comprar bastante comida com esse dinheiro!– Brinca a holandesa.

Para finalizar, a estudante diz que para ela esses resultados não se dão pela experiência do intercâmbio em si, e sim pelas pessoas que decidem fazê-la. Pessoas que tomam iniciativa e são proativas, que pensam fora da caixa, que de boa vontade se adaptam a um novo ambiente, pessoas corajosas que fogem da segurança de seu país, familiares, amigos e língua materna para conhecer o mundo e a si mesmas.

É um grupo elitizado sim, porém ele desconhece barreiras. O que deve ser a principal filosofia de intercambistas. Essas estatísticas são apenas mais um pouco de evidência de algo que já sabíamos – que Intercambistas são demais.

Confira o Traveling My Way Home e veja a matéria completa, com todas as fontes das pesquisas utilizadas no texto!

Luis Michelazzo

Estagiário de Comunicação da Seja Trainee, onde é responsável pela produção de conteúdo para os portais MyTrainee e Ligado Na Facul, além de ajudar na administração de suas páginas nas redes sociais.