Movimento global Hacking Health gera soluções para a saúde

O movimento surgiu no Canadá e, hoje, já está presente em 2 cidades brasileiras: Ribeirão Preto e Sorocaba

por Mariana Lourenço 1.475 views0

Movimento global gera soluções para a área da saúde

Tudo começou com uma pergunta: como podemos aproveitar a inovação para ajudar a resolver os problemas complexos da saúde?

Assim, no ano de 2012, surgiu o Hacking Health, movimento global que tem como objetivo fomentar inovações e ideias que gerem soluções para a área da saúde. Para tornar isso possível, a união de estudantes, profissionais da área da saúde, empreendedores, desenvolvedores e interessados no assunto em geral, é essencial.

Para entender melhor sobre o movimento, conversamos com Vitória Varea, estudante de Administração da FEA-RP e co-organizadora do Capítulo da cidade de Ribeirão Preto.

Presente em 13 países, o movimento começou no Canadá, mas já conta com 33 capítulos, um em cada cidade participante. Cada capítulo age localmente, sendo responsável pela realização de três eventos diferentes que engajem a população para maior participação na causa.

Um desses eventos é chamado de “Café”. Público e gratuito, o evento é realizado mensalmente, e conta com a reunião de pessoas envolvidas na área da saúde para conversar e explorar problemas, temas e ideias.

O segundo evento, chamado de “Clínica”, é mais prático do que o Café. Aqui, é o momento de os interessados começarem a trabalhar em equipes e preparar suas melhores ideias. Diferentes formações e profissões se encontram e trocam informações.

Tanto o Café quanto o Clínica têm como objetivo unir a comunidade e as pessoas que estão preocupadas com os problemas da sociedade. Além disso, são eventos com ótima oportunidade de networking entre os participantes.

Veja também:  Metade dos universitários depende de programas para estudar

Por último, acontece o Hackathon. Realizado anualmente, esse evento reúne equipes (que já podem estar formadas desde o Clínica) que queiram criar e tirar projetos do papel, mostrando que é possível hackear e melhorar a saúde.

O Hackathon tem duração de um final de semana inteiro: na sexta, acontecem os pitches, apresentações e divisão de equipes. No sábado, os envolvidos desenvolvem a sua ideia e, no domingo, depois da finalização do projeto, as equipes se apresentam para uma banca de profissionais e os vencedores recebem um prêmio (que pode ir desde apoio financeiro até divulgação ou sorteio de espaço em coworking). Paralelamente, palestras e dinâmicas envolvem os participantes.

Para participar dos eventos do Hacking Health, acompanhe a agenda oficial, que conta com todas as cidades participantes. Também é possível participar dos Capítulos, basta estar interessado ou ser da área da saúde.

Veja abaixo o vídeo promo do movimento e acompanhe a página do Facebook do Hacking Health global e do Hacking Health de Ribeirão Preto.

 

 

*Imagem: Divulgação

Mariana Lourenço

Estudante de Jornalismo na PUC-SP, foi professora de inglês por quase três anos e sabia que precisava continuar no mundo acadêmico, longe das grandes redações e do tradicional. Responsável pelo conteúdo do Ligado, achou no portal uma forma de juntar duas paixões: a escrita e a educação.