Invista nos detalhes na busca por um trainee

Seguir nossas convicções e personalidade é muito importante nesse momento

por Germano Martiniano 2.417 views0

Template-imagem-ligado

Na maioria das vezes quando tomamos a famosa “bota” (termo usado por nós jovens para dizer que não fomos aprovados nos processos de trainee) nos perguntamos: onde foi que eu errei? Afinal sou bem formado, falo inglês, francês, alemão, entendo tudo de computador e entre outras competências, mas mesmo assim a empresa preferiu contratar aquele candidato que não tinha metade das minhas competências.

Não existe uma regra definida para se passar em um trainee. Cada empresa possui em perfil e busca um candidato com um perfil similar. Nos atemos muito na vontade de passar em determinada vaga, em levar o discurso pronto para os recrutadores, e acabamos caindo na pressão, com isso detalhes importantíssimos passam desapercebidos e perdemos também a naturalidade.

O primeiro ponto que temos que considerar é a naturalidade. Não temos que construir nosso discurso para agradar o recrutador, pois se fazemos isso já mostramos que queremos apenas o emprego, mas não a empresa e sua filosofia. Se gostamos da empresa que concorremos, é importante colhermos muitas informações sobre a mesma na preparação, mas isso é diferente de inventarmos um discurso para impressionar o recrutador. Seguir nossas convicções e personalidade é muito importante neste momento.

Outros detalhes que precisamos estar atentos são:

Tirando alguns grandes bancos que exigem uma vestimenta mais chique, o bom é usarmos roupas neutras, formais, mas sem muitos apetrechos. A roupa não pode tirar atenção do que somos nem por bem nem pelo mal.

Chegarmos com antecedência é muito importante, assim temos tempo de ir ao banheiro, de limparmos o suor naquele dia de calor, tomarmos uma água e se ambientar com o grupo antes das dinâmicas ou entrevistas.

Durante os cases é essencial termos um equilíbrio, não fale muito, nem pouco, tente um meio termo e não devemos ser a pessoa que causa entraves no grupo, mas aquela que busca soluções.

Por fim, busque sair do convencional, de ter respostas e perguntas prontas, sinta cada situação, busque perguntar e dizer o que pensa, desde que seja apropriado. As empresas buscam pessoas que proponham novas situações e não repetições.

Germano Martiniano

Formado em Relações Internacionais, trabalha com comunicação desde 2014. É um dos responsáveis pelo relacionamento com universidades. Sua missão é aproximar empresas e universidades, gerando oportunidades para os estudantes. Devido sua paixão pelo jornalismo, escreve artigos para o Ligado.

Deixe uma resposta

Seu endereço de e-mail não será publicado

Você pode usar tags e atributos HTML: <a href="" title=""> <abbr title=""> <acronym title=""> <b> <blockquote cite=""> <cite> <code> <del datetime=""> <em> <i> <q cite=""> <s> <strike> <strong>