Como um empresário junior se tornou trainee de uma multinacional

por Mariana Lourenço 2.728 views0

junior 2

* Texto por: Icaro Jordão

 

Minha história na faculdade começou logo no dia da matrícula, em meio a toda a alegria de ter passado na FUVEST e a loucura do trote. Tive tempo de visitar as entidades estudantis que estavam expondo seus trabalhos e projetos para os recém-chegados “bixos” e uma delas me chamou atenção de forma especial, a chamada Júnior FEA-RP, que é a empresa júnior de consultoria da Faculdade de Economia, Administração e Contabilidade da USP de Ribeirão Preto.

Fui abordado com uma proposta diferente das demais, com a possibilidade de ter, desde o começo do primeiro ano de faculdade, um contato com clientes, participar da estrutura de uma empresa e o melhor, poder instigar e provocar mudanças nela, já que éramos nós quem administrávamos todo o seu funcionamento. De cara me interessei muito e me inscrevi no processo seletivo, e fui aprovado para a equipe de comunicação.

No meu primeiro ano de faculdade e de júnior trabalhei nesta equipe, sendo responsável por boa parte das ações de endomarketing, além do relacionamento com os nossos stakeholders, seja fisicamente ou por mídias sociais. Tive a oportunidade de coordenar dois projetos de pesquisa de mercado para empresas da região. Assim, pude me envolver um pouco mais com nossos clientes, despertando a vontade de atuar na equipe comercial, com a qual trabalhei no segundo ano, focado na prospecção e fechamento de contrato com novos clientes para gerar projetos para a empresa.

 

formatura

 

Enquanto isso acontecia, minha vida acadêmica corria dentro da normalidade, conseguia garantir boas notas nas matérias, participar das festas da faculdade, jogar basquete representando a FEA-RP e com isso, despertar interesses sobre novos desafios.

No final do meu segundo ano, apareceu a oportunidade de dar um passo a frente na minha trajetória dentro da Júnior FEA-RP: fui desafiado pela mesma pessoa que me recrutou (foi como uma mentora para mim dentro da EJ) a tentar o cargo de presidência. Me candidatei e fui eleito por votação direta, começando o meu terceiro ano com uma situação nova, na qual tinha que coordenar e principalmente criar uma família com os outros 60 membros da empresa para garantir resultados.

Cresci muito neste ano de presidência, tanto em termos de relacionamento, como profissionalmente. Pude representar a EJ na Federação de Empresas Juniores do Estado de São Paulo (FEJESP) e no Núcleo USP Júnior, ajudando a direcionar o futuro do MEJ (Movimento Empresa Júnior) paulista e também brasileiro. Internamente, executamos um grande trabalho e fortalecemos o sentimento de dono na empresa; e conseguimos, com o trabalho de todos, alcançar recordes de projetos, faturamento e treinamentos.

Veja também:  Conheça mais sobre o curso de DESIGN!

Neste momento, novamente optei por me desafiar e segui meu caminho acadêmico com um intercâmbio na cidade de Santander, na Espanha, onde tive uma experiência sensacional de conviver com outras culturas e também de estudar matérias interessantes com um ponto de vista totalmente diferente do que tinha aqui no Brasil.

Ao voltar do intercâmbio comecei a busca por um estágio e fui selecionado para atuar na equipe de vendas da Procter&Gamble no interior do estado de São Paulo, onde pude conhecer a “vida real”, visitando clientes desde um mercadinho em uma cidade de 2 mil habitantes, até uma grande rede com mais de 20 supermercados, entendendo como trabalhar melhor suas necessidades. Considero esse um período de intenso desenvolvimento, inclusive porque ainda tinha uma grade cheia na faculdade, e como diz o ditado, “quanto mais coisas para fazer, mais você consegue fazer”. Me organizei bem e pude ter um dos semestres de melhor resultado na faculdade, e também profissionalmente.

Chegou o período de TCC, que realmente me deu muito trabalho, juntamente com o de abertura dos processos de trainee. Nesse momento, tive que me concentrar e focar no que queria para o futuro. Contei com a ajuda da Seja Trainee por meio da consultoria, para entender melhor o meu perfil profissional e delimitar opções de carreira. Este trabalho foi fundamental, principalmente como preparação para as etapas dos processos, desde dinâmicas até painel com gestores, mas também pelo autoconhecimento, que me ajudou muito a obter sucesso no trainee da TOTVS, onde trabalho hoje.

Participei durante os primeiros 6 meses de um processo de Job Rotation pela empresa, conhecendo as vice-presidências e seu funcionamento, além de atuar com um projeto voltado ao mercado internacional por 2 meses. Nesta segunda etapa, estou alocado no segmento de hotelaria dentro da área de marketing de produtos e gostando bastante de como o programa vem sendo conduzido e das perspectivas de futuro dentro da empresa.

 

Trainees TOTVS