Como estimular o empreendedorismo universitário no Brasil?

Grandes organizações vão ao jantar em Brasília, no dia 10, para apoiar lançamento de plataforma de negócios dos empresários juniores de todo o Brasil

por Juliana Maffia 480 views0

EJ-contrate

No dia 06, mais de 15 mil jovens universitários se unem para dar voz à campanha “Contrate uma Empresa Junior”;, entidade formada por alunos que realizam serviços com preço até 40% abaixo do mercado sênior. A mobilização ocorre nas redes sociais, nos veículos de mídia e até mesmo por comércios de diversos estados com a hashtag #ContrateUmaEJ.

Os bastidores da ação

A ideia da campanha é divulgar o mais novo produto dos empresários juniores, a plataforma Empresa Júnior Consultoria, que possibilita que um empreendedor pesquise as soluções necessárias para seu negócio por área de atuação, tipo de serviço, até mesmo cidade e estado. De acordo com o SEBRAE, as micro e pequenas empresas hoje significam mais de 54% das fontes de emprego no Brasil, portanto, estimular o aquecimento desse setor deve ser uma ação de todos no país.

A chamada está sendo feita para todo o país através de desafios que as empresas juniores e suas federações terão que cumprir. As ideias da equipe articuladora, de acordo com a Vice-Presidente de Comunicação da Brasil Júnior, Carolina Naomi Utimura, têm como objetivo demonstrar que existe apoio de diversos públicos do país, de reitores a jovens que ainda nem entraram na universidade.

Parcerias estratégicas para amparar o país

Enxergar a importância, mas também entender a dificuldade que é fomentar o empreendedorismo foi o que fez com que a Confederação Brasileira das Empresas Juniores (Brasil Júnior), idealizadora do e-commerce, conseguisse contar com o apoio de grandes organizações brasileiras. Nomes como Paulo Barone, Secretário de Ensino Superior e Heloísa Regina Guimarães de Menezes, Diretora Técnica do SEBRAE já afirmaram que irão colaborar para que a plataforma consiga atingir o máximo de micro e pequenos empresários brasileiros.

O Presidente da Brasil Júnior, Andrei Golfeto, acredita que todo o apoio que estão ganhando ao longo da trajetória não só da campanha, mas de todo o Movimento Empresa Júnior durante esses quase 30 anos, têm sido crucial para que os números dobrem a cada ano. Os empresários juniores realizaram 4.882 projetos ano passado, e garante que 2017 será ainda melhor com a meta de 10.000 projetos espalhados por todo o Brasil.

Veja também:  Um dia na EJFGV, a empresa júnior da GV

Nesse clima de esperança e colaboração, a Brasil Júnior irá realizar um jantar, no IEL de Brasília, DF, para agradecer todo o apoio recebido e comemorar o lançamento daquela que se espera ser a maior plataforma de empreendedorismo universitário do país.

Mas, afinal, o que é esse Movimento Empresa Júnior?

O Movimento Empresa Júnior surgiu na França em 1967, com a ideia de resolver um problema antigo, mas que infelizmente ainda se faz muito presente, trazer para a prática todo o conteúdo teórico das universidades.

Em 1988, a ideia chegou a São Paulo com a fundação da EJGV, empresa júnior da universidade Fundação Getúlio Vargas – SP. Aos poucos foi se espalhando pelo país, com o propósito de formar um Brasil cada dia mais empreendedor.

Hoje, quase 30 anos depois, o Movimento Empresa Júnior (MEJ) brasileiro é o maior de todo o mundo, com 444 empresas juniores espalhadas por 22 estados, em 109 universidades e principalmente impactando a vida de mais de 15 mil universitários todos os dias. É também o único regulamentado legalmente desde o ano passado. O marco inclusive será relembrado nesta semana tão especial, já que a lei 13.267 completa um ano (dia 06) desde sua aprovação no Congresso Nacional.

Para conhecer mais sobre o Movimento Empresa Júnior como um todo, e também sobre a Empresa Júnior Consultoria, não deixe de visitar o site da Confederação Brasileira das Empresas Juniores, Brasil Júnior e da plataforma.

Juliana Maffia

Formada em Jornalismo e há cinco anos cuidando do Ligado na Facul, começou no portal pelo amor ao mundo digital e à escrita. Hoje, editora-chefe, o que mais a agrada é a chance de impactar universitários com o conteúdo produzido pelo site.