O que estudantes podem aprender com o primeiro medalhista brasileiro do Rio 2016?

por Germano Martiniano 1.405 views0

Olimpiadas

A primeira medalha do Brasil nos Jogos Olímpicos do Rio veio em uma modalidade pouco popular no país, que não conquistava o pódio há quase um século. O paulista Felipe Wu, atual líder do ranking mundial, conquistou a medalha de prata na pistola de ar de 10m, disciplina do tiro esportivo, na tarde do último sábado, no Complexo Esportivo de Deodoro.

Felipe Wu também não é uma figura das mais populares: até conquistar a medalha, poucos brasileiros o conheciam. Com 1,69m e olhos escondidos atrás de óculos, o Sargento do Exército demonstra muita calma, característica essencial para quem precisa acertar, a 10 metros de distância, um alvo do tamanho de uma moeda de R$ 1.

Você, que está buscando uma vaga de trainee ou qualquer outro espaço no mercado de trabalho, deve estar se perguntando: “Mas o que a história e a medalha de Felipe Wu têm a ver com a minha busca por empregos? ”. Neste momento de busca profissional, a paciência tão usada por nosso medalhista olímpico é essencial para você atingir seus objetivos.

Felipe tem 24 anos, é estudante de engenharia aeroespacial na Universidade Federal do ABC, em Santo André, e fã de Harry Potter. Alguma semelhança? Claro que muitos de vocês não são estudantes de Engenharia e não gostam de Harry Potter, mas com certeza já ouviram falar do “bruxinho” mais famoso do mundo, e provavelmente estão se graduando ou se graduaram há pouco tempo. Ou seja, somos da geração de Felipe Wu, conversamos na “mesma língua” e compartilhamos da mesma dor da geração atual: a busca pelo espaço no mundo.  Portanto, vale a pena conhecer a história deste campeão, ele é um de nós.

Veja também:  O que é um trainee e como posso me tornar um?

Em entrevista para ao portal Globo.com, Wu disse que na busca por uma medalha olímpica passou por diversas dificuldades, mas que todo atleta passa por dificuldades e que é muito importante não se colocar no papel de vítima na situação que for. Adicionou que possui uma rotina de treinamentos de 6 a 8 horas por dia, além do estudo. Concluiu dizendo que sentiu muito nervosismo, mas o importante foi saber controlá-lo para ganhar a medalha.

E você que está buscando seu espaço no mercado de trabalho, o que tem feito? Você tem enfrentado as dificuldades ou acha que é a única pessoa desempregada no Brasil? Você tem organizado sua rotina para estudar seus pontos fracos e fortes, pesquisar as empresas que lhe agradam, melhorar seus currículos e linkedin? Você acha que o nervosismo não deveria existir durante uma entrevista, ou acha que o importante é saber o manter sob controle?

Nós somos a geração Felipe Wu. A história desse rapaz é a nossa história. Aproveitem o exemplo!

Germano Martiniano

Formado em Relações Internacionais, trabalha com comunicação desde 2014. É um dos responsáveis pelo relacionamento com universidades. Sua missão é aproximar empresas e universidades, gerando oportunidades para os estudantes. Devido sua paixão pelo jornalismo, escreve artigos para o Ligado.

Deixe uma resposta

Seu endereço de e-mail não será publicado

Você pode usar tags e atributos HTML: <a href="" title=""> <abbr title=""> <acronym title=""> <b> <blockquote cite=""> <cite> <code> <del datetime=""> <em> <i> <q cite=""> <s> <strike> <strong>